Pesquisa

Os músicos de Bremen

Era uma vez um burro que durante muitos anos tinha trabalhado para um moleiro, transportando pesados sacos de grão. Mas agora já estava velho e sem força. O seu patrão, pensando que o burro já não sevia para nada, nunca mais lhe deu de comer. O burro que não queria morrer à fome resolveu fugir.

"Vor para Bremen, a cidade dos músicos!", pensou.

"Já não tenho força para trabalhar, mas posso tocar!"

Ao longo da estrada encontrou um cão que lhe pareceu muito cansado.

"O que te aconteceu?", perguntou-lhe o burro.

"Sou velho e já não posso ir caçar", respondeu-lhe o cão, "por isso o meu patrão quer matar-me!"

"Eu vou para Bremen, vou ser músico", disse-lhe o burro, "vem daí comigo e assim formaremos uma banda!"

A ideia agradou ao cão, que  se juntou ao burro, e os dois seguiram caminho para Bremen. Pouco tempo depois, encontraram um gato com os olhos cheios de lágrimas.

"O que te aconteceu?", perguntaram-lhe.

"Sou velho e já não consigo apanhar ratos, por isso a minha dona quer afogar-me!"

"Vem para Bremen connosco", propôs o burro.

"Eu tocarei flauta, o cão tocará tambor e tu ajudarás a fazer serenatas!"

O gato achou a ideia óptima e juntou-se ao cão e ao burro, seguindo com eles para Bremen. Mais adiante, viram um galo que gritava em cima de uma cerca.

"O que te aconteceu?", perguntaram-lhe os três amigos.

Estou a ficar velho e na quinta querem assar-me no forno", contou o galo, aflito.

"Vem para Bremen connosco", propôs-lhe o burro. "Tu tens uma bela voz e nós sabemos tocar. Juntos formaremos uma banda!"

O galo achou a ideia óptima e juntou-se ao cão, ao gato e ao burro, seguindo com eles para Bremen.

Mas a cidade ainda era distante e a noite já começara a cair. Os quatro amigos, cansados e esfomeados, resolveram procurar um lugar para descansar. Junto à estrada, havia uma casa que parecia abandonada, mas tinha uma janela iluminada.

O burro aproximou-se da janela e viu um grupo de ladrões sentados à volta de uma mesa cheia de comida.

Os quatro amigos resolveram, então, inventar um plano.

O cão subiu para o dorso do cavalo, o gato para o pescoço do cão e o galo voou para cima do gato.

Com o burro a comandar, puseram-se todos a cantar a plenos pulmões e, com um salto, entraram na casa, partindo a janela.

Ouvindo aquele terrível estrondo, os ladrões julgavam que lhes tinha aparecido um monstro de quatro cabeças. Fugiram apavorados, deixando para trás a mesa com todas aquelas iguarias! 

Os quatro amigos pregaram-lhes uma boa partida. O seu plano resultara na perfeição!

Comeram tanto que não voltaram a pensar na viagem para Bremen e permaneceram felizes e contentes naquela casa abandonada à beira da estrada o resto das suas vidas.

 

Livro "Fábulas maravilhosas", ilustrações de Paolo Cardoni, Porto Editora